quarta-feira, 21 de abril de 2010

Edward Scissorhands (1990)


"His story will touch you, even though he can't."

Dos meus realizadores favoritos, Tim Burton, com o meu compositor favorito, Danny Elfman e com o meu actor favorito, Johnny Depp, “Eduardo Mãos de Tesoura” é simplesmente dos meus filmes de eleição. É o culminar da carreira de Tim Burton e Danny Elfman juntos, é o clássico. Este filme tornou-se bastante pessoal para o realizador, no sentido em que, num sentido metafórico, a história do filme é baseada na história de infância de Tim Burton.

O filme conta com magníficas interpretações dos mais talentosos actores: Vincent Price, Johnny Depp, Winona Rider , Alan Arkin e Dianne Wiest.

O filme inicia com uma senhora de idade a explicar à sua neta, aconchegadinha na sua cama, a origem da neve. Explica, desse modo, que neva devido à existência de um homem, Edward, e, assim, começa a contar a história deste, de como foi inventado e a sua vivência. Edward (Johnny Depp) foi a maior ambição de um inventor (Vincent Price). Já quase concluído, o inventor decide dar um último presente a Edward: umas mãos. Porém, uma infeliz coincidência acontece; o inventor tem um ataque cardíaco fatal, deixando a sua invenção inacabada, isto é, sem mãos. Edward tem, literalmente, tesouras como mãos, que serviam de substitutas enquanto aguardava pelas verdadeiras. No entanto, as afiadas tesouras de que ele é dotado tornaram-se as suas únicas mãos. Muitos anos mais tarde, Pegg Boggs (Dianne Wiest), uma vendedora da Avon, avista uma mansão gótica. Curiosa, decide ir lá, com igual intuinto de vender os seus produtos. Pegg conhece Edward, e ao ver que este vive na solidão, leva-o para sua casa, nos coloridos subúrbios. Edward rapidamente fica amigo da família, mas algo inesperado acontece: apaixona-se por Kim Boggs (Winona Ryder), filha de Pegg. Edward demonstra ter abilidades sobre-humanas em esculpir e cortar seja o que for. A sua vida nos subúrbios não será fácil, quando os vizinhos e o próprio namorado de Kim começarem a invadir a privacidade e felicidade da família Boggs.

Adoro o argumento do filme, está original, e apesar de simples, não tem falhas. “A história de um gentleman pouco comum”, resumindo. A premissa do filme desenrola-se uma maneira muito bonita. A personagem não se consegue enquadrar simplesmente porque os outros o acham diferente, excepto uma família que o acolheu. O amor e a amizade passam qualquer obstáculo. Os flashbacks que Edward tem durante o filme, em que se relata o processo de criação de Edward, estão simplesmente perfeitos: demonstram a relação inventor-invenção como uma relação de pai-filho, é magnífico. A história, que é contada de uma maneira mágica, não poderia ser mais real em retratar a nossa sociedade mesquinha, no entanto com raras excepções. A história é dramática como também tem as suas componentes cómicas, e enche-nos de esperança, demonstrando a natureza humana.
Tim Burton conseguiu transpôr para o grande ecrã tudo aquilo de bom que há no mundo para este filme. Não há palavras para descrever, simplesmente digo que Tim Burton tem um dom, e que é excepcionalmente dotado.
Fazendo uma parceria com Danny Elfman, a música é um pilar neste filme. Danny Elfman é um génio, não há dúvida, e a sua musicalidade é bonita e no entanto macabra. Assustadora, porém motivante e das mais belas melodias alguma vez chegadas a um ouvido humano.

Johnny Depp foi perfeito para o papel de Edward. Considero que deveria ter ganho um Óscar com este filme, sem dúvida alguma. Consegue ser simpático e carinhoso, mesmo sem diálogo. Fala pouco, mas cada expressão que faz diz tudo, é incrível. Captou a essência extremamente bem: conseguiu ser meigo, gentil, zangado, agressivo, assustador. Johhny Depp é um actor extremamente versátil, e já em 1990 isso acontecia. A versatilidade e presença do actor estão em todo o sítio neste filme. Dianne Wiest e Alan Arkin foram extremamente credíveis nos seus papéis “paternais”, cómicos e dramáticos; demonstram muita experiência. Não consigo dizer muito sobre Winona Ryder, excepto que foi adorável.

Muitas pessoas choram neste filme. Eu sou uma excepção, admito, mas este filme tem uma história que nos toca, mesmo que Edward não nos possa literalmente tocar sem cortar.
O melhor filme dos muitos da parceria Burton-Depp, aconselho esta obra-prima e o derradeiro clássico de Tim Burton, que permanecerá para sempre na história do cinema.


EXAME


Realização: 9/10

Actores: 10/10
Argumento/Enredo: 8/10
Duração/Conteúdo: 9/10
Banda sonora: 10/10
Transmissão da ideia principal do filme para o espectador: 9/10



Média Global: 9.2/10


Crítica feita por Joana Queiroz


Informação

Título em português: Eduardo Mãos de Tesoura

Título Original: Edward Scissorhands
Ano: 1990
Realização: Tim Burton
Actores: Vincent Price, Johnny Depp, Winona Ryder, Dianne Wiest e Alan Arkin



Trailer do filme:

3 comentários:

  1. Muito Bom, adorei a critica.
    Ja vi o filme umas poucas vezes e apesar das primeiras vezes ter sido quase em vão, de me ter parecido um filme estranho e confuso, é bastante bom e gosto muito =).
    Muito boa a ideia de pegarem em filmes mais antigos, fazer conhecer, relembrar, reviver..
    =)

    ResponderEliminar
  2. Um filme para sempre.
    Genial.
    Sou da opinião que os filmes do Tim Burton requerem uma grande maturidade para os perceber por inteiro, apesar de termos de ser completamente ingénuos. É um paradoxo mas é a verdade.

    ResponderEliminar
  3. Crítica excelente. Amo esse filme demais. Uma fábula perfeita, um filme perfeito! O melhor de Tim Burton e um dos meus filmes preferidos. (:

    ResponderEliminar