Crítica - Pompeia (2014)

Análise ao novo filme épico do realizador Paul WS. Anderson que retrata a tragédia de Pompeia. Por Sarah Queiroz

TOP 5 Melhores Filmes: Scarlett Johansson

Confiram a nossa lista dos 5 melhores filmes protagonizados pela bela Scarlett Johansson. Por Sarah Queiroz

TOP 10 Melhores Filmes - "Body Horror"

Confiram o nosso TOP 10 Melhores Filmes "Body Horror". Por Sarah Queiroz

Crítica - Afflicted (2013)

Análise ao filme-sensação do género found-footage. Por Sarah Queiroz.

Especial Colaborações do Cinema: Johnny Depp e Tim Burton

Vejam o nosso especial colaborações do cinema, em que percorremos a filmografia do realizador Tim Burton que conta com a colaboração de Johnny Depp. Por Sarah Queiroz

sexta-feira, 24 de julho de 2015

TOP 5 Melhores Filmes: Scarlett Johansson




   Estamos de volta com mais um TOP 5 Melhores Filmes, e a actriz-alvo é a bela Scarlett Johansson. Mas para além de ser lindíssima, é uma actriz bastante versátil, uma vez que existe poucos géneros que ela não tenha experimentado. Desde filme indie a grandes blockbusters, a actriz já conta com excelentes filmes na sua carreira. O grande mérito dela é que nunca teve medo de fazer escolhas ousadas.
   A tarefa de elaborar um TOP 5 dos melhores filmes de Scarlett não é, de todo, fácil. Descubram os nossos preferidos e partilhem connosco a vossa opinião!


5. The Avengers (2012)


   "The Avengers" é o meu filme preferido de super-heróis, em que sou capaz de ver e rever, dia sim dia não, e continuar a lançar gritos "nerdy" como se da primeira vez se tratasse. É o terceiro filme mais lucrativo nas bilheteiras de todos os tempos, e óbvio que há razões para isso. É uma verdadeira celebração da "nerdice", e Joss Whedon foi perfeito na sua construção. Scarlett Johansson desempenha o papel da Viúva Negra, e sinceramente não imagino ninguém melhor para a personagem: é implacável, sensual, e de uma presença inigualável.












4. Under The Skin (2014)


   "Under the Skin" é um filme estranho e atípico... mas hipnotizante... Scarlett consegue sobressair, sendo uma presença bastante forte. Aliás, consegue ser até aterrorizante, pela sua crueldade e apatia, sendo que depois consegue evoluir de maneira completamente oposta ao início do filme. A obra proporciona-nos uma experiência extremamente sensorial, pelo que não será do agrado de todos. Mas, para o que o filme ambicionava, Scarlett foi perfeita, e este filme é formidável.





3. Vicky Cristina Barcelona (2008)

 
Eis um filme que é bastante diferente do usual "Woody Allen", mas que é obrigatório para os apreciadores. É uma obra com uma grande lição, aliás, como o realizador sempre faz. Não é por acaso que Allen é um mestre da realização. "Vicky Cristina Barcelona" é um drama romântico bastante intenso, sensual e inovador, que retrata vários ciclos de romance em que as personagens têm visões opostas do amor, marcadas por uma derradeira imprevisibilidade. Scarlett Johannson é a musa de Woody Allen, e aqui tem um desempenho brilhante.




2. Matchpoint (2005)


   Mais uma grande colaboração de Johansson com Allen. Adorei este filme: Woody Allen é, sem dúvida, um realizador peculiar e os seus filmes não são para toda a gente, mas creio que com este filme reinventou a sua carreira. "Match Point" é dos meus preferidos dele, porque a sua construção narrativa acaba por ter aquela pontadinha de Hitchcock ao fazer uma memorável reflexão acerca de como a sorte ou azar, ou qualquer escolha, influenciam a vida de cada um. A actriz revelou-se deslumbrante, com uma personagem que evolui de confiante, a maníaca e perigosa.




1. Lost in Translation (2003)


   O filme, só por si, é absolutamente inesquecível, sendo inclusive o meu preferido da realizadora Sofia Coppola. A história retrata dois solitários no Japão que estão a ultrapassar uma crise existencial, colocando em causa os seus casamentos. Ao conhecerem-se, começam a passar todo o tempo juntos, e estabelece-se uma relação de compreensão mútua que vai-se consolidando à medida que o tempo passa. Adoro a abordagem subtil da realizadora à carga de emoções que a solidão pode trazer, e Scarlett Johansson (com apenas 19 anos na altura) desempenhou na perfeição o seu papel. O filme é profundo e de uma sensibilidade bastante especial, sendo, na minha opinião, o melhor filme da carreira de Johansson.





por Sarah Queiroz

sábado, 18 de julho de 2015

TOP 10 Melhores Filmes - "Body Horror"


   "Body-Horror" é um sub-género do Terror que se foca na destruição, deformação ou qualquer tipo de horror inimaginável do corpo humano. Digamos que faz questão de passar qualquer limite com o objectivo singular de nos fazer sentir muito pouco confortáveis. Seja por doenças misteriosas, experiências científicas e médicas, ou qualquer outra coisa que um cineasta se decida lembrar, o certo é que este subgénero, além de extremamente gráfico e explícito, consegue ser sublime e implícito nas metáforas que faz, relacionadas com as variadas maneiras de retratar o decair do ser humano.

   Decidi elaborar o meu TOP 10 Melhores Filmes - "Body Horror", sendo que nunca é demais relembrar que estas listas são sempre subjectivas, pelo que esta estará condicionada às minhas preferências. E vocês? Quais os filmes que vos fizeram relembrar da aterrorizante vulnerabilidade do corpo humano?


10. Tusk (2014)


   Ok, conselho de amiga: nunca vejam este filme se estiverem literalmente doentes do estômago. Infelizmente, foi o que me aconteceu e foi o pior que poderia ter feito... estando naquelas condições, claro está. "Tusk" é, sem dúvida, controverso. Nunca me vou esquecer de ter ficado apática a olhar para o ecrã enquanto os créditos passavam, porque ainda não sabia muito bem o que pensar daquilo tudo. Mas o grande trunfo acaba por ser essa mesma surrealidade, misturada com a gota de sátira, que tornam o filme interessante (ah e o Johnny Depp faz a melhor cameo de sempre). A trama é bastante simples: um jovem podcaster (Justin Long) viaja até ao Canadá em busca de uma entrevista com uma celebridade involuntária da internet, mas quando lá chega, o indivíduo está morto, o que faz com que o jovem tenha que encontrar outro.  Ao deparar-se com um idoso solitário desejoso de companhia, mal vai saber que este é um puro sádico que deseja transformá-lo numa morsa... Enfim, eu achei este filme francamente pesado. Não será do agrado de todos, mas acho que funcionou bem e atingiu aquilo a que se propunha.




9. Cabin Fever (2002)



   Antes de "Hostel", Eli Roth realizou "Cabin Fever", estreando-se no mundo da realização com um filme que gerou choque, tornando-se mais conhecido por isso do que propriamente pela divulgação que teve. De baixo orçamento, passou despercebido na altura, mas pode-se afirmar que hoje em dia está a tornar-se cada vez mais um filme de culto. Se bem que a sua "simplicidade" pode não agradar a todos. Este filme faz muito lembrar o estilo "cabin in the woods", com influências dos anos 80, podendo ser considerado como um "Evil Dead" da década de 2000. É nojento, é visceral (A cena do segundo gif é de uma pessoa ter que virar a cara). Mas nada a que Eli Roth não continuasse a fazer com o filmes que veio a realizar; "Cabin Fever" é obrigatório para os fãs do género. 













8. Slither (2006)



   "Slither" é um excelente exemplo de que um bocadinho de gore a mais não estraga a qualidade de um filme. Um objecto vindo do espaço apodera-se do corpo de Grant, que aos poucos vai sofrendo uma transformação animal, ficando completamente deformado. A sua mulher Starla, começa a desconfiar do comportamento do marido, mas quando efectivamente se apercebe do que se passa, já é tarde demais, uma vez que a criatura já depositou os ovos...  O argumento, por mais exagerado que seja, é igualmente inteligente, e adoro os elementos que nos fazem recordar os anos 80 ou até 70. É uma verdadeira black comedy, com um elenco bastante sólido (a Elizabeth Banks é fantástica!). Para quem não viu, devia ver.




7. Videodrome (1983)


   Cronenberg é um dos maiores mestres do Terror, e muito facilmente seria possível incluir mais do que dois filmes dele nesta lista. Uma das razões pela qual Cronenberg é um génio, é que com este filme, ele demonstrou estar muito à frente da generalidade das pessoas ao fazer a sua crítica sobre as tecnologias influenciarem bastante a cultura e sociedade (basta ver o que se passa hoje em dia), e a maneira mais explicita de o fazer foi retratar o conceito no sentido mais literal possível, em que se assiste a uma verdadeira desconstrução existencial da personagem. Por este motivo, acho que muitos concordam comigo ao afirmar que é o filme mais louco e surreal de Cronenberg, 





6. Excision (2012)


   Foi um filme-sensação em 2012 e percebe-se o porquê: está muito bem conseguido, pela densidade dramática e psicológica que carrega. Somos apresentados a Pauline (AnnaLynne McCord), uma típica adolescente perturbada que tem como principal ambição estudar medicina e exercer cirurgia. Vemos o seu dia-a-dia, a sua relação com a família e amigos, e as dificuldades que tem em sustentar tais relações. O seu escape, no entanto, reside numa estranha obsessão em corpos mutilados e fantasias sexuais ligeiramente perturbadoras, que condiciona a 100% a maneira de ser dela, e a forma como encara a própria vida. O filme gira, assim, em torno das ilusões macabras de Pauline, e do seu caminho de auto-descoberta, que revela ser o menos encantador possível... Sadismo é o que mais podemos esperar. 











5. Martyrs (2008)


   Sou acérrima fã do terror europeu e esta obra é das mais espectaculares de todos os tempos, sendo até mesmo dos meus filmes predilectos. "Martyrs" é perturbador, provocante e chocante, e eleva a palavra "brutal" ao sentido mais literal possível. Intrigante e surpreendente, é-nos contada a história de Lucie, uma rapariga que havia desaparecido à um ano e quando é encontrada, mostra sinais de ter sido torturada. Descobre-se que Lucie tinha sido mantido presa e sofria abusos. É levada para um orfanato onde conhece Anna e as duas ficam muito amigas. Passados 15 anos, Lucie, ainda visivelmente atormentada pelos traumas, decide vingar-se dos seus raptores, mas acaba por arrastar Anna consigo. Entram num ciclo de violência inevitável em que as repercursões serão gigantes, e ambas poderão pagar um preço bem alto...O facto do filme ter bastante substância e o haver uma mensagem clara transmitida, é que o tornam de uma qualidade exorbitante.












4. American Mary (2012)



   Bizarro, extravagante e uma agradável surpresa. O filme conta a história de Mary (Katherine Isabelle), uma promissora e talentosa estudante de medicina, que é vista pelo seu professor (David Lovgren) como capaz de se tornar das melhores cirurgiãs do país. Por esse facto, é constantemente pressionada por este. Só que, estando coberta de dívidas, Mary decide trabalhar como stripper num clube nocturno. Porém, é confrontada com outras opções, pelo que começa a prestar serviços médicos clandestinamente, e entra no meio das cirurgias de modificação corporal clandestinas e bizarras. É de destacar o carácter criativo e inovador trazido pelas realizadoras, que com certeza se consolidarão ainda mais dentro do género. Achei o filme único: apesar de efectivamente sádico e sangrento, tem uma vertente psicológica de tensão crescente e de vingança bastante acentuada, que torna inevitável não estabelecermos uma ligação com a personagem. 












3. Contracted (2013)


   Este é um filme que captou de imediato a minha atenção pela sua premissa bastante interessante: Samantha, que se encontra numa fase difícil após acabar o relacionamento com Nikki. Assim, ela decide ir a uma festa para se divertir, mas acaba por ser violada por um desconhecido. Apesar da experiência já por si ser horrível, Samantha começa a aperceber-se de um mal maior que advém da violação. Com o passar dos dias, o seu corpo começa a apresentar sintomas muito estranhos, levando a crer que a sua experiência sexual lhe trouxe outras consequências. Agora, Samantha terá que descobrir o que está a acontecer com o seu corpo apodrecido, antes que seja tarde demais. "Contracted" faz qualquer pessoa contorcer-se, consegue mesmo gerar choque. Vale a pena ver a película sabendo muito pouco acerca dela, na medida em que é bastante surpreendente e intrigante. A abordagem é mais do que inovadora e original, e o final é de grande impacto, podendo mesmo considerar que é a melhor cena do filme. 












2. The Thing (1982)


   "The Thing" é, indiscutivelmente, o melhor filme de John Carpenter e um verdadeiro marco na história deste sub-género. Carpenter é um realizador icónico e visionário, que conseguiu mesmo fazer um filme perfeito: claustrofóbico, inteligente, rico e com os efeitos especiais bastante razoáveis para a altura. É fazer uma explícita abordagem ao mesmo tempo que se faz uma "inversão de abordagem" e usar este subgénero para metáforas bem sucedidas... Isto porque a premissa do filme tem sido muito interpretada (dada a altura em que foi lançado), como uma metáfora ao comunismo, às inúmeras doenças que apareceram, e até mesmo a imigração ilegal. Perfect horror movie.












1. The Fly (1986)


    O "remake" de David Cronenberg do filme original de 1958 é indiscutivelmente do mais genial de sempre, e é um filme que tem de ser visto obrigatoriamente pelos fãs do género. A abordagem de Cronenberg é assombrosa, ao pegar na premissa do original e conseguir levá-lo a mais extremos, expandindo o seu conteúdo a níveis muito mais satisfatórios, tal como a inclusão da metáfora sobre o processo de envelhecimento. Sem contar que Jeff Goldblum e Geena Davis estão fenomenais neste filme. Mas é claro que o filme de '58 protagonizado por Vincent Price, é igualmente fantástico. Não poderia haver outro filme sem ser este no nº1. Não concordam?














Menções Honrosas

Tetsuo: The Iron Man (1989)
Teeth (2007)
Re-Animator (1985)
Hellraiser (1987)
Society (1989)




por Sarah Queiroz

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

TOP 15 Melhores: "Twist Endings" - Finais Surpreendentes


   Toda a gente adora um final surpreendente. Aliás, há finais que nos apanham tão de surpresa que o cérebro quase que é forçado a explodir dentro da nossa cabeça. Isto porque existem uns que vêm mesmo do nada; outros que servem para completar o "puzzle"; e ainda há uns que aparentemente não fazem sentido mas que são simplesmente brutais à mesma... De qualquer das maneiras, todos eles são falados, mal ou bem. 

   Escusado será dizer que este artigo contém spoilers. Um conselho que posso dar é fazerem scroll down com cuidado, vejam o título do filme, e se não o viram anotam o nome e passam à frente sem ler.

   Aqui fica o nosso TOP 15 Melhores: "Twist Endings" - Finais Surpreendentes. Partilhem connosco a vossa opinião!



15. The Skelenton Key (2005)


   Neste creepy thriller psicológico, Kate Hudson interpreta uma enfermeira chamada Caroline que viaja até Louisiana para tomar conta de Ben, marido duma senhora chamada Violet, que sofreu de uma misteriosa trombose (John Hurt). Após ser dada a chave mestra da casa que abre todas as portas, ela começa a explorar a casa, desvendando imensos segredos, incluindo diversos artifactos de hoodoo. Caroline começa a pensar que Violet teve alguma coisa a ver com a trombose do marido, e pede ajuda ao advogado do casal, Luke...

  O Twist: O casal Violet e Ben não eram quem diziam que eram. Papa Justice e Mama Cecile, dois conhecidíssimos praticantes de hoodoo, estavam dentro do corpo do casal á imensos anos. À medida que o corpo foi envelhecendo, Papa Justice tratou de ocupar o corpo do advogado Luke (daí ele no fim ser mau, inesperadamente, e Ben ter sofrido a trombose), enquanto que Mama Cecile andava de olho no corpo de Caroline. No final do filme, Cecile conseguiu o que queria, ficando com o corpo de Caroline, enquanto que a alma desta foi directamente para o corpo de Violet, vitimizado pela tal trombose....Adoro este filme, e o final foi bastante surpreendente, mesmo que ligeiramente irritante!












14. The Prestige (2006)


   Desde a primeira vez em que se encontraram como jovens mágicos em ascensão, Robert Angier (Hugh Jackman) e Alfred Borden (Christian Bale) competiram entre si. No entanto, a sua competição amigável evoluiu para uma rivalidade amarga, transformando-os em inimigos para toda a vida e, consequentemente, pondo em risco a vida de todos os que os rodeiam.

   O Twist: Alfred Borden é um mágico incrível e consegue fazer coisas aparentemente impossíveis. Uma razão que possa contribuir para o facto é que, na realidade, ele divide-se em dois... Pois, ele tem um irmão gémeo! Revelação incrível.













13. SAW (2004)


   Adam (Leigh Whannell) e Gordon (Cary Elwes) acordam amarrados em lados opostos de uma sala, com um cadáver entre eles. Os dois homens descobrem que são reféns de Jigsaw (Tobin Bell), um "serial killer" que coloca as suas vítimas em situações que as levam a cometer homicídio. Agora cada um deles tem de lutar contra o tempo...e contra o outro.

   O Twist: Quando finalmente Lawrence Gordon consegue escapar (tendo que cortar o seu próprio pé), Adam fica sozinho com o cadáver à espera que chegue ajuda. Inesperadamente o cadáver começa a levantar-se, revelando ser o próprio Jigsaw que estava entre eles o tempo todo. Game Over! Achei o final incrivelmente inteligente.













12.
Haute Tension (2003)


   Marie (Cécile De france) e Alexia (Maïwenn Le Besco) resolvem passar uns dias em casa dos pais da segunda para conseguirem estudar para os exames que se avizinham. Enquanto que esperavam passar um fim de semana tranquilíssimo, rapidamente tudo se transforma num verdadeiro horror, quando um psicopata inesperadamente aparece na casa e assassina a família toda de Alexia. Marie luta pela sobrevivência, sendo a única que poderá ajudar a amiga que entretanto foi levada pelo psicopata.

   O Twist: A heroína Marie é maluquinha da cabeça e é a assassina afinal, não existindo psicopata nenhum. Este twist ending é dos mais controversos do cinema moderno, mas goste-se ou odeie-se, há que reconhecer que Haute Tension é um filme espectacular e que, o final, é 100% surpreendente.












11. Identity (2003)


   10 pessoas ficam presas num motel isolado, que pertence a Larry (John Hawkes), devido a uma violenta tempestade. Entre eles estão um motorista (John Cusack), uma actriz (Rebecca De Mornay), um agente da polícia (Ray Liotta) encarregue de transportar um prisioneiro (Jake Busey), um casal (Clea DuVall e William Lee Scott), entre outros. No meio da confusão, tudo piora, quando se começam a aperceber que, um a um, todos estão sendo assassinados, sem qualquer explicação. 

   O Twist: As pessoas que estão no motel são todas alter-egos da cabeça de um serial killer que está a ser submetido um tratamento especial no intuito de "matar" as suas personalidades alternativas. É um final de se bater palmas, imensamente criativo e electrizante. Chocante mesmo, e até ligeiramente assustador...














10. The Village (2004)


   Em 1897, há uma pequena comunidade que vive atormentada pela ideia de que nos bosques existem criaturas monstruosas. Para além disso, a filha do governante da aldeia apaixona-se por Lucius, um jovem que questiona a política levada a cabo pelo governante de manter os moradores de Covington confinados à pequena aldeia.

   O Twist: Na realidade o filme não se passa em 1897, mas sim em tempos actuais. A aldeia foi fundada por um grupo de pessoas que optaram por rescindir às maneiras modernas devido aos perigos dos meios urbanos. A maneira de evitar que as pessoas saíssem da aldeia era eles próprios criarem o mito da existência de monstros... Devo dizer que foi um final chocante, mas o realizador M. Night Shyamalan é bem conhecido por isso...












9. The Others (2001)


   Durante a Segunda Guerra Mundial, Grace (Nicole Kidman) e os seus dois filhos, mudam-se para uma casa esperando que o marido volte da guerra. As crianças sofrem de uma doença misteriosa, que os impedem de apanhar luz solar. Três novos empregados são contratados para substituir os anteriores, que desapareceram misteriosamente, e precisam aprender regras importantes: a casa tem de estar sempre escura, nunca se deve abrir uma porta antes de fechar a anterior, entre outras. Mas estas regras são quebradas, ao mesmo tempo em que eventos assustadores e sobrenaturais começam a acontecer, e o inevitável é acharem que há outras presenças na casa..


   O Twist: Grace e os filhos são os espíritos que andam a atormentar a casa. Não só a revelação de eles estarem mortos foi chocante, como foi igualmente chocante saber que a razão pela qual eles estão mortos foi porque a Grace matou os filhos e depois a ela própria...


Crítica aqui












8. The Mist (2007)


   Uma terrível tempestade assombrou a cidade, que deixou para trás uma densa neblina. O que os moradores ainda não sabem, é que nessa misteriosa neblina, encontram-se monstros desconhecidos. Este filme conta-nos a história de David que, na manhã seguinte à tempestade, tem a necessidade de se deslocar ao supermercado à procura de mantimentos, sendo acompanhado pelo filho Billy e pelo seu vizinho Brent. No entanto, quando a misteriosa neblina se instala na cidade, eles e muitos outros ficam presos no supermercado, e o terror manifesta-se quando vão descobrindo o que realmente está fora do supermercado, escondido no nevoeiro

   O Twist: No meio de tanto desespero, decidem tentar a sua sorte fora do supermercado, indo de carro até onde conseguissem. Quando acaba a gasolina, David decide fazer o melhor pelo seu filho e companheiros, matando-os a todos. Só que, minutos mais tarde, o exército salva o dia e os monstros desaparecem.... Auch. Não há palavras para descrever a azia gerada com este final.















7. The Usual Suspects (1995)



   O filme segue o interrogatório de Roger "Verbal" Kint (Kevin Spacey), um golpista que é um dos únicos sobreviventes de um massacre realizado em um navio atracado no Porto de Los Angeles. Ele conta ao detective uma complicada história sobre os eventos que levaram ele e outros quatro criminosos ao barco, e sobre o misterioso senhor do crime que "encomendou" o ataque, um homem chamado Keyser Söze.

   O Twist: Kevin Spacey é, de facto, o famoso Keyser Soze, tendo vindo a inventar a história toda ao detective. Achei genial o detective ter mandado o Kint embora sem se aperceber que foi completamente enganado.... É dos twist mais memoráveis da história do cinema, acho mesmo que ninguém esperava aquele final. Viva o Kevin Spacey!











6. Fight Club (1999)


   Jack é um executivo que trabalha como investigador de seguros, mas sofre com problemas de insónias. Para se tentar curar, ele começa a frequentar terapias em grupo, mas a sua vida vira de cabeça para baixo quando ele conhece Tyler Durden. Com ele, forma um clube da luta, onde pessoas são amigas, mas se esmurram violentamente em algumas noites. Tudo ganha propósitos maiores quando as coisas começam a ficar loucas e surreais.

   O Twist: Jack e Tyler, personagens tão diferentes, na verdade são a mesma pessoa. Basicamente tudo o que faltava em Jack ele projectou no seu alter-ego Tyler. É mesmo de fazer cair os queixos, não estava mesmo nada à espera.









5. Oldboy (2003)



   Dae-soo, um homem casado e com uma filha é raptado e aprisionado num quarto de hotel sem qualquer explicação. 15 anos depois é libertado, é-lhe dado dinheiro, um telemóvel e um fato novo. Desorientado, ele luta para descobrir porque foi preso e procura vingança, ao mesmo tempo que se apaixona por uma atraente chef de sushis. No entanto, o seu raptor ainda tem planos para ele....

   O Twist: A atraente chef de sushis é nada mais nada menos do que a sua filhinha de 3 anos, agora com 18. Acontece que o raptor elaborou esse plano com o objectivo de simplesmente ser diabólico... Chocante é dizer muito pouco deste final, sinceramente. É do mais inesperado que há.













4. Se7en (1995)


    Somerset (Morgan Freeman) é um detective a uma semana da reforma. Mills (Brad Pitt) é um detective jovem e ansioso por tomar o seu lugar. No entanto, ambos vão acabar juntos a resolver o caso de um «serial killer» meticuloso que mata as suas vítimas de acordo com os sete pecados mortais.

   O Twist: No final, o detective Mills recebe uma caixa que contém a cabeça da sua mulher. Completamente consumido de raiva, Mills mata o serial killer, fazendo com que o seu plano se concretizasse (que fosse o detective a cometer o sétimo e último pecado). Na altura em que o filme saiu, o final foi absolutamente chocante... Pese embora o facto de ter sido previsível que o John Doe estivesse a tramar alguma, uma vez que foi voluntariamente se entregar à polícia.













3. Memento (2000)


   Um ladrão ataca um casal, em que acaba por morrer a mulher e o homem fica à beira da morte. Mesmo sobrevivendo, Leonard passa a sofrer de uma doença que o impede de gravar na memória factos recentes, fazendo com que ele se esqueça por completo algo que aconteça recentemente. Assim, usando o seu próprio corpo para tatuar objectivos, em parte numa jornada a fim de descobrir o assassino da sua mulher.

   O Twist: Afinal a mulher de Leonard sobreviveu ao ataque do ladrão, e quem a matou foi precisamente Leonard, ao adulterar as doses de insulina da sua companheira. A sua amnésia foi resultado da defesa do cérebro para ocultar este facto. O que me chocou imenso com esta revelação foi que eu, como qualquer outra pessoa, passou a maior parte do filme a torcer pela personagem principal, para depois nos apercebermos que o vilão é o próprio...













2. Empire Strikes Back (1980)


   Luke Skywalker (Mark Hamill) tenta encontrar o Master Yoda, que poderá ensiná-lo a dominar a "Força" e torná-lo um cavaleiro jedi. No entanto, Darth Vader planeja levar Luke para o lado negro da "Força".

   O Twist: Darth Vader revela ser o papá do Luke Skywalker. Não há dúvidas que foi dos finais de mais impacto cultural de sempre da história do cinema, que ainda hoje é bem lembrado! "Luke, I am you faaaather".












1. The Sixth Sense (1999)


   Uma criança (Haley Joey Osment) atormentada por visões de espíritos recebe a ajuda de um psicólogo (Bruce Willis), que tenta arranjar uma explicação racional para o problema, enquanto ele próprio tenta solucionar a própria vida.

   O Twist: O Bruce Willis esteve sempre morto e andava a atormentar o pobre Haley Joel. Tenho quase a certeza que muitos irão crucificar-me por este estar em primeiro lugar, mas temos que ser francos. É indiscutivelmente dos finais mais surpreendentes e mediáticos de todos os tempos. Uma coisa é efectivamente não gostar do realizador agora, mas M. Night Shyamalan teve no seu auge com este filme. Em retrospectiva uma pessoa é capaz de se perguntar como é possivel não nos termos apercebido, mas é inegável que todos caímos neste twist. Bravo!













Menções Honrosas


The Cabinet of Dr. Caligari (1919)
Shutter Island (2010)
Psycho (1960)
The Wicker Man (1973)
Dead Silence (2007)
Planet of the Apes (1968)




por Sarah Queiroz