segunda-feira, 2 de maio de 2011

Funny Games US (2007)

Neste provocador e intenso thriller realizado por Michael Haneke, uma família em férias recebe a visita inesperada de dois jovens perturbados. As suas perfeitas férias transformam-se num pesadelo, à medida que são submetidos a terrores inimagináveis e têm de lutar para permanecer vivos. Este filme é um remake do seu próprio aclamado filme de 1997, e conta com as interpretações de Naomi Watts e Tim Roth. À primeira vista, o filme tem todos os elementos para ser verdadeiramente fantástico. O certo é que foi questionada a necessidade de Haneke ter feito um remake, visto que é exactamente igual, shot by shot. Mas como o realizador bem disse, Funny Games é suposto ser uma história americana, pois o uso da violência como forma de entretenimento é especificamente um fenómeno americano. E o realizador acaba por nos proporcionar um filme narcótico e perturbador, mas inevitavelmente realista.

Talvez perceba a crítica de que o filme é alvo, o ser uma repetição exacta do filme de 1997. Isso sem dúvida que limita vários aspectos, tal como as próprias performances dos actores. Não obstante a competente e eficaz realização de Haneke, não trás propriamente nada de inovador. E talvez seja essa falta de originalidade o principal defeito do filme. Mas não haja dúvidas, e vou realçar novamente, que o realizador sabe muito bem o que faz, pois transmite a sua mensagem de uma maneira segura, fazendo uma crítica social à banalização da violência que se tem vindo a assistir, e à necessidade de consumo trivial de violência gratuita pelas massas. O filme está tão bem arquitectado que quase nos sentimos responsáveis pelo que está a acontecer às personagens. O curioso é que muita da violência no filme é implícita, sem que isso o invalide enquanto filme inconveniente e incomodativo. Funny Games é um filme muito mais psicológico, e mais uma vez se assiste à inteligente e talentosa realização de Haneke. No entanto, acho que o filme poderá tornar-se cansativo pela excessiva duração de algumas cenas. Sei que isso contribui ainda mais para o realismo do filme, mas na minha opinião, quebra o seu ritmo.

Mas o que seria realmente deste filme, sem o seu fantástico elenco? Naomi Watts e Tim Roth são ambos actores consagrados que já não têm que provar mais nada a ninguém. É mais que sabido que são grandes actores, e mais uma vez o demonstram Em Funny Games estão sublimes, é impressionante como espelham o desespero e angustia de não terem o controlo da situação e nada poderem mudar. Deparamos-nos com uma enorme versatilidade de Watts e uma elevada carga dramática por Roth. Tim Roth, devo acrescentar, é dos melhores actores da sua geração, inquestionavelmente. Devon Gearhart também foi uma agradável surpresa, pois o jovem actor interpreta a sua personagem com uma tremenda credibilidade. Michael Pitt e Brady Corbet, que interpretam o duo de psicopatas, são completamente aterradores. Achei muito perturbador o facto das personagens serem demasiado educadas. Muito estranho de facto... Isto para dizer que são actores brilhantes!

Para aqueles que gostam de filmes diferentes, não há dúvidas que vão gostar deste. Sim, porque a principal característica do filme é a sua "estranheza". É um filme cruel que por vezes torna-se difícil de continuar a ver, e que é sádico psicologicamente, mas é um despertar para a realidade. Reconheço que não é um filme fácil para se gostar, mas é impossível não respeitar o impacto que tem nas pessoas.

EXAME

Realização: 7/10
Actores:
9/10

Argumento/Enredo
: 7/10

Duração/Conteúdo:
5/10

Transmissão da principal ideia do filme para o espectador:
7/10


Média global: 7/10


Crítica feita por Sara Queiroz


Informação

Título em português:
Brincadeiras Perigosas

Título original:
Funny Games US

Ano:
2007

Realização:
Michael Haneke

Actores
: Naomi Watts, Tim Roth, Michael Pitt

Trailer do filme:

8 comentários:

  1. Tenho este filme na prateleira há imenso tempo. Mas agora despertou-me curiosidade. Vou vê-lo ainda esta semana.

    www.cinemofilia.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Este filme é um máximo! É,claramente, uma obra que perturba psicologicamente. Funny Games só não é uma obra máxima porque é uma cópia a frame da versão alemã do mesmo realizador. Pitt é um estrondo. Já vi este filme tantas vezes.

    Abraço
    Frank and Hall's Stuff

    ResponderEliminar
  3. Para mim, este filme é absolutamente brilhante. Grande Tim Roth, devo dizer !

    Concordo com o texto, parabéns.

    Cumps

    ResponderEliminar
  4. Adoro tanto este quanto o original. Grandes suspenses!

    http://cinelupinha.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  5. Perdoe-me, Sarah. Mas não vou ler sua crítica sobre Funny Games ou A Single Man porque são filmes que ainda pretendo assistir. Daqueles que sempre estão na lista de "preciso ver" mas sempre deixamos para depois, sabe?

    A partir de agora, faça críticas apenas de filmes que eu já vi, okay?

    Não, não, é brincadeira, hahahaha!

    Continue a postar sempre. :)

    ResponderEliminar
  6. Sara, assisti apenas ao original francês, que é um filme angustiante e perturbador. Preciso conferir este remake.

    Obrigado pela visita ao blog, estou linkando seu endereço lá.

    Até mais

    ResponderEliminar
  7. Juliana, vê simm! Depois, se quiseres, partilha connosco o que achaste.

    Bruno, também é um filme que vi inúmeras vezes. Deu-me um especial gozo ver esta última, pois vi com a minha irmã que nunca tinha visto.

    Alexandre, tens que ver o mais rápido possível ahah, são obrigatórios! Depois tens que fazer as tuas análises, para ver se vou discordar contigo :P Obrigadaaa.

    Hugo, obrigada também pela visita! Pus o teu blog na minha lista de blogues.

    Obrigada a todos pelos comentários :)

    ResponderEliminar
  8. Muito bom esse filme, quando vi os dois de luvas brancas já estava esperando o pior, nunca tinha visto esse filme, nem o da versão antiga, estou me sentindo desatualizada...rs

    ResponderEliminar