sábado, 13 de agosto de 2011

Haute Tension (2003)

Não me canso de reforçar a ideia de que o cinema de terror francês é indiscutivelmente do mais intenso que há. É na França que se tem produzido os filmes mais interessantes e revolucionários do género, contando com a inevitável brutalidade e violência que já tive oportunidade de referir na minha crítica ao filme francês Martyrs. Sendo grande fã deste género, é com bastante desilusão que encaro a maior parte dos filmes americanos que se fazem hoje em dia (salvo algumas excepções é claro!), pois originalidade parece não existir, e o facto de assentarem constantemente nas mesmas fórmulas e clichès é algo muito cansativo mesmo. É por isso que, no que toca a filmes de terror, nada melhor que o cinema europeu e o asiático.

Haute Tension é um filme francês de 2003, realizado por Alexandre Aja, que tive oportunidade de rever hoje mesmo, sendo um dos exemplos para melhor descrever a qualidade do horror moderno europeu. Apesar de recheado dos típicos clichès dos "slasher films", consegue ao mesmo tempo ser bastante intrigante e surpreendente. Além do mais, consegue apresentar uma coerência que se torna paradoxal à medida que o filme se desenrola, pois o final do mesmo é completamente inesperado. Relativamente ao final do filme, deixará com certeza as pessoas divididas: Enquanto que uns vão achar o final absolutamente espectacular, haverão outros que vão achá-lo incoerente, apressado e forçado. Eu sinceramente achei o final muito surpreendente, e embora talvez pareça ligeiramente deslocado, não deixa de ser um bom final.

Alexandre Aja apresenta-nos a história de duas amigas, Marie (Cécile De france) e Alexia (Maïwenn Le Besco), que resolvem passar uns dias em casa dos pais da segunda para conseguirem estudar para os exames que se avizinham. Enquanto que esperavam passar um fim de semana tranquilíssimo, rapidamente tudo se transforma num verdadeiro horror, quando um psicopata inesperadamente aparece na casa e assassina a família toda de Alexia. Marie luta pela sobrevivência, sendo a única que poderá ajudar a amiga que entretanto foi levada pelo psicopata. Sem dúvida que não é propriamente inovador, e depois de verem o filme ainda se aperceberão
mais disso, mas apesar de não ter um excelente enredo, o facto de estar bem construído sequencialmente e estar envolto numa óptima fotografia, elevam o filme a um patamar respeitável. Para além disso, Aja é formidável na construção de um ambiente cortante de suspense que deixa o espectador totalmente colado à cadeira e atento ao mínimo movimento para não perder o ínfimo detalhe. Tem um estilo de narrativa muito envolvente e é um filme que sofre claras influências do terror dos anos 70, assemelha-se bastante ao ambiente do Texas Chainsaw Massacre. Cécile De france e Maïwenn Le Besco desempenham os seus papéis com grande credibilidade, brilhantes mesmo. Especialmente Cécile, que ultrapassa a normalidade de competência, pois proporciona-nos uma interpretação verdadeiramente fenomenal. É com a sua personagem (Marie) que criamos uma inevitável empatia, e do primeiro ao último minuto surpreende.

Em tom de conclusão, Haute Tension é um filme que não tem medo de explorar a vertente gráfica e violenta do horror, sendo mais que recomendável para os fãs do género, especialmente se gostam de filmes inesperados. Este é para vocês!


EXAME


Realização: 8/10
Actores: 9/10
Argumento/Enredo: 6/10
Duração/Conteúdo: 7/10
Transmissão da principal ideia do filme para o espectador: 6/10

Média Global: 7.1/10

Crítica feita por Sarah Queiroz

Informação


Título Original: Haute Tension
Título em Inglês: High Tension
Título em Português: Alta Tensão
Ano: 2003
Realização: Alexandre Aja
Actores: Morjana Alaoui, Mylène Jampanoï, Xavier Dolan.

Trailer do Filme

3 comentários:

  1. Tenso! Hahaha!

    Eu também gostei muito desse filme. E, realmente, não apenas o horror francês mas também espanhol, da américa latina, nórdico, coreano, japonês... todos de fora do eixo de Hollywood têm se mostrado cada vez melhores do que as grandes produções (e mesmo os grandes mestres) do gênero, não?

    E, mudando um pouco de assunto, só há pouco tempo me dei conta de que Cécile De France é a mesma mulher de Hereafter (que, aliás, achei bem ruinzinho).

    Parabéns pelo review sem spoilers (coisa difícil de fazer num filme como esse). :D

    ResponderEliminar
  2. Boas!

    Mais uma fantástica review, mas continuo a aguardar ansiosamente as críticas aos filmes da saga Harry Potter e ao Moulin Rouge.

    ResponderEliminar
  3. Não é o meu preferido dos filmes de terror franceses, mas ainda assim é muito bom :)

    Chico

    ResponderEliminar