segunda-feira, 7 de março de 2011

Letters from Iwo Jima (2006)


"He studied the Americans. So he knows how to beat them."

Clint Eastwood é, sem sombra de dúvida,um cineasta brilhante. A Segunda Guerra Mundial é uma temática envolvente e trabalhosa, mas Eastwood brinda-nos com um filme japonês absolutamente estrondoso sobre a épica batalha de Iwo Jima. Como se sabe, este filme é a segunda parte de Flags of Our Fathers (não a continuação, mas sim o segundo filme da "saga" de Iwo Jima), mas que retrata a óptica japonesa da mesma batalha. Vi ambos, e digo que a perspectiva japonesa em filme está claramente superior.

O filme começa em 2005: um grupo de arqueólogos japoneses exploram os túneis da ilha de Iwo Jima, e eis que encontram algo no solo. O filme retrocede 61 anos, Junho de 1944.
O Japão colocou o destino de Iwo Jima, considerada a última linha defesa do país, nas mãos do General Tadamichi Kuribayashi (Ken Watanabe) que estudara nos Estados Unidos e conhecia o exército ocidental. Ele supervisiona a construção de uma fortaleza subterrânea, feita de túneis que concedia a estratégia ideal contra os EUA, que começam a desembarcar na ilha em 19 de fevereiro de 1945. Nos meses que antecederam a batalha e na batalha propriamente dita, os japoneses escreveram várias cartas, relatando o seu dia-a-dia nos últimos dias da sua vida naquela ilha, e é aí que a narrativa se baseia.

Basicamente, é a história nunca antes contada da vida dos soldados japoneses que aborda a batalha de Iwo Jima que opôs os EUA ao Japão aquando da Guerra do Pacífico. Este confronto decorreu entre 19 de Fevereiro de 1945 a 26 de Março desse mesmo ano e foi o primeiro em solo japonês. Pode parecer pouco tempo, mas a vitória das tropas norte-americanas não foi pêra doce, devido à preparação dos soldados japoneses.
O argumento foi deduzido através das cartas escritas pelos soldados japoneses encontradas, e houve um excelente trabalho por parte dos argumentistas:está poderoso e fundamentado Historicamente. Os diálogos são inteligentes, ambíguos e espelham a mentalidade japonesa de honra e disciplina, aliada à emoção.
A realização de Clint Eastwood é majestosa e rigorosa. As sequências de guerra estão absolutamente fantásticas, contrastando com as cenas mais emotivas. Está tudo muito bem filmado e há shots magníficos, em que o espectáculo visual impera. Eastwood fez uma boa direcção de actores e transpôs o argumento de uma maneira brilhante!

Kyle Eastwood, compositor e filho de Clint Eastwood, uniu-se mais uma vez a Michael Stevens e compôs uma magnífica e envolvente banda sonora. Outro merecido destaque vai para Tom Stern e a sua fotografia, que consegue captar maravilhosamente a emoção e frieza dos acontecimentos, que está representada pelos tons apagados mas lindíssimos.
"Mas então, ó Joana, não há nenhum aspecto negativo?!". Bom, não digo negativo, mas sim menos positivo: o filme é um pouco extenso e poderá haver cenas em que é um pouco slow-paced, isto é, a acção desenrola-se de uma maneira lenta.
Relativamente aos actores, só posso dar elogios! Há uma variedade estrondosa de maravilhosas interpretações, mas destaco Ken Watanabe, o meu actor japonês favorito, que interpreta o general Tadamichi Kuribayashi . Os actores Hiroshi Watanabe , Ryo Kase e Kazunari Ninomiya também estão muito consistentes, retratando brilhantemente o dia-a-dia dos corajosos soldados.

Clint Eastwood brinda-nos assim com um filme despido de estereótipos, honroso, objectivo e absolutamente brilhante. Envolto num espectáculo visual e com um magnífico argumento, não penso duas vezes ao dizer que Letters from Iwo Jima é uma obra prima e um dos melhores filmes de guerra e de 2006.


EXAME

Realização: 10/10 
Actores: 9/10 
Argumento/Enredo: 9/10
Duração/Conteúdo: 7/10 
Banda Sonora: 9/10
Fotografia: 10/10 
Transmissão da principal ideia do filme para o espectador: 8/10

Média global: 8.9/10 

Crítica feita por Joana Queiroz

Informação 

Título em português: Cartas de Iwo Jima
Título original: Letters from Iwo Jima
Ano: 2006
Realização: Clint Eastwood
Actores: Ken Watanabe,Hiroshi Watanabe, Ryo Kase e Kazunari Ninomiya

Trailer do filme:



VER TAMBÉM:

13 comentários:

  1. Costumo sempre admirar os filmes de Eastwood, esse é mais um representante significativo. A direção bem como a produção resultam em algo grandioso!

    abraço

    ResponderEliminar
  2. Mais um excelente filme do grande Clint Eastwood! Prefiro este ao " Flags of Our Fathers", mas são ambos bons. O Ken Watanabe faz um grande papel neste filme (ele faz quase sempre um bom papel em todos os filmes em que entra). Aconselho vivamente este filme! Impressionante como um grande realizador americano nos leva a ver a batalha de Iwo Jimma durante a II Guerra Mundial, mas do ponto de vista dos japoneses, que sairam derrotados.

    ResponderEliminar
  3. Como apreciador de História e principalmente da Segunda Guerra Mundial, adorei este filme. Gostei muito mais deste do que "Flags of Our Fathers".
    O rigor Histórico e a excelente representação tornam-no num dos meus filmes favoritos desta temática. Este filme fez-me querer mais filmes da Segunda Guerra Mundial com tal rigor...


    Joana, quanto à tua crítica concordo com tudo o que disseste, excepto a parte em que criticas o facto de ser extenso e por vezes "slow paced". Não me recordo de nenhuma parte que achasse totalmente desnecessária no filme, daí que não encontro razão para o achar extenso. Quanto a ser "slow paced", é verdade que há essas alturas, mas não achei que fosse algo exagerado ou tão "chato", que comprometesse de alguma maneira o valor do filme.
    Ah! E detectei os seguintes erros XD:
    - Escreveste "Flags of our Fathers" em vez de "Flags of Our Fathers";
    - Escreveste "Envolto numa espectáculo visual".

    ResponderEliminar
  4. Simplesmente sublime, um dos 5 melhores filmes do Eastwood (e isso é bem dificil) e provavelmente o retrato mais humano do lado mais desumano da Humanidade.

    Esse 8,9 estrelas foi um pouco sovina..pobrecito, o 9 merecia ;-)

    Great work!

    ResponderEliminar
  5. (AVISO: estou agora no computador Magalhaes, que carece de acentos, dai a minha gramatica neste comentario estar duvidosa xD)

    @ Cristiano Cronteiras: Grandioso e soberbo :)

    @ Joao Simoes: "Compra", "compra" =P, depois partilha a tua opiniao xD.

    @ Rodman: Achei a visao de Clint Eastwood fantastica.
    Ouso mesmo dizer que se fosse um realizador japones a faze-lo o resultado seria diferente; veriamos demasiado patriotismo e estereotipos, ao passo que Eastwood conseguiu despir-se disso de uma maneira inteligente.
    Eu recomendo vivamente este filme a toda a gente!

    @ Jose': Concordo, o Letters from Iwo Jima esta' claramente superior ao Flags of Our Fathers, nao ha' qualquer duvida. O rigor Historico e' um grande ponto positivo sim. Hum... em relaçao ao ser "extenso", como disse na minha critica, nao o considero como ponto negativo mas sim como um ponto menos positivo. Nao ha' partes desnecessarias (obvio que nao), mas talvez uma cena ou outra mais curtinha, nao muito. Relativamente ao ser por vezes slowpaced,volto a sublinhar que e' um ponto "menos positivo", e ale'm disso nao considero que seja algo chato e nao o prejudica assim tanto ;). E' um filme quase perfeito. Erros corrigidos, obrigada pela detecçao ^^

    @ Miguel Pereira : Escolher os melhores filmes de Eastwood e' um desafio, mas digo sem duvida nenhuma que Letters from Iwo Jima esta nessa lista!
    Haha, sim, um grande 9. Fui um bocadinho mazinha na duraçao/conteudo, bastava-me por mais meia decima para dar um 9 no geral =P.
    Obrigada :D

    ResponderEliminar
  6. Miguel Pereira: Bem pelo contrário Miguel. É um lado humano da Humanidade.
    Desde quando é que a Humanidade é apenas constituída pelo suposto "bem"? A Humanidade é constituída pelo Homem. Ora, visto que o Homem é capaz de executar tudo ao seu alcance, quer o "bem" quer o "mal", então, a guerra é tão própria da Humanidade como a caridade. Se é "certo" ou "errado", isso não interessa para o caso, mas não é correcto dizer que é algo "desumano" ou mais "desumano", quando tal é algo que os humanos fazem desde a sua existência.

    ResponderEliminar
  7. Comentário interessante José. Não deixa de ter o seu fundo de verdade, o que torna as atrocidades cometidas durante este período "humanas", enquanto parte do mais negro que o lado humano tem para oferecer. Todos nós temos o bem e o mal dentro de nós e não nos regemos só por um lado, embora nos iclinemos mais para um que, para o bem comum, deverá ser o bem. Agora , apesar do assassínio e violência serem coisas más, não são desumanas visto que são um dos lados da natureza humana, ainda que o menos desejado e o mais reprimido em sociedade (espero eu...). Já Hobbes, Locke e Rosseau defediam isto com as suas teses contratualistas, atrávés do chamado "estado de natureza", o estado humano inicial que antecede o "estado de sociedade". Principalmente Hobbes, que também dizia neste contexto que "o Homem é o lobo do Homem". Bem, chega de filosofia e psicologia.

    ResponderEliminar
  8. Rodrigo, chega é de Paulo Otero :D (private joke)

    ResponderEliminar
  9. Rodman: Exacto. Agora, não concordo que seja o menos desejado e o mais reprimido... Aparentemente pode parecer que o Sistema combate a violência, mas tal só acontece até que comece a dar prejuízo economicamente. Exemplos recentes disso não faltam.

    ResponderEliminar
  10. Não há mesmo dúvida de que este é superior ao Flags of Our Fathers. Pra falar a verdade, é um dos poucos filmes de guerra que me apeteceram.
    Só uma correção: não é uma segunda parte do Flags Of Our Fathers. Foram feitos simultaneamente e um não é sequência do outro. São duas visões de um mesmo período...

    Abraços, Joana.

    P.S.: também incluí o blog de vocês no meu blogroll.

    ResponderEliminar
  11. Fred, claro que sei que não é uma segunda parte :P. Engraçado, já um amigo meu me tinha dito isso ;). Mas quando digo "segunda parte" não o digo como sendo uma continuação, mas sim como o segundo filme da Saga Iwo Jima de Clint Eastwood. São duas perspectivas da mesma Batalha, je sais ;).

    Mas obrigada na mesma :)

    ResponderEliminar