segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Johnny English Reborn (2011)

"One man. One mission. No chance."

Johnny English, a paródia de James Bond, está de volta! Após a sua primeira passagem pelo grande ecrã, em 2003, 2011 marca
o ano em que renasce, comandado pelo realizador Oliver Parker.
Após cinco anos em retiro espiritual num mosteiro na China, Johnny English (Rowan Atkinson) é convocado pelos Serviços Secr
etos britânicos para impedir a morte do Primeiro Ministro e as consequências que daí advinham. Agora, destinado à sua nobre tarefa, English é um homem novo e que vai conjugar o que aprendeu da filosofia oriental às suas competências únicas e definidoras.


A história do filme não é complexa e não é nada demais; aliás, é bastante reciclada e delineada em torno de clichés: o retiro espiritual de Johnny English pelo mosteiro budista, onde reúne forças para tornar a sua mente e corpo mais fortes faz lembrar Ace Ventura Pet Detective; o Agente Tucker, parceiro de English, é o novato "sabe tudo" que está lá para equilibrar a ignorância do parceiro, fazendo lembrar todos os filmes que tenham duplas de agentes; existe também cliché do Agente good looking que secalhar não é tão “good”, entre outros.
Tirando estes aspectos negativos, posso dizer que, em relação ao primeiro filme, toda a história e as personagens são mais desenvolvidas e existem bons elementos de violência e luta, suspense e humor negro. O primeiro filme baseava-se mais no diálogo chato, enquanto que o segundo preocupa-se mais em dar-
nos algo concreto e visual, o que é espectacular. O filme tem um bom ritmo e não é cansativo.

Existem cenas de diversos tipos: as forçadas, em que damos por nós a tentar rir e a não conseguir; outras caricatas, em que rimo-nos mesmo da parvoíce da situação, apesar de ser tudo muito previsível e óbvio. Talvez por ser óbvio é que por vezes já nos rimos antecipadamente. Contudo, acabamos por querer ter rido mais. Destaco as cenas entre Johnny English e a chinesa do aspirador, são épicas e muito bem conseguidas!

É sabido que Rowan Atkinson faz rir. Mesmo quando não emite palavras, o seu não-verbal já diz tudo: é algo inato. Contudo, a comédia de Atkinson é algo a que já estamos habituados, pelo menos quem conhece e viu Mr. Bean. Só que agora ouvimos algo a sair da boca do actor. É sempre bom ver caras conhecidas como Dominic West e Gillian Anderson. Esta última tem "Agent Scully" estampada na cara para sempre, mas até que conseguiu ser razoável no meio de tanto sotaque.

Bem melhor do que o primeiro, Johnny English Reborn entretém e promete algumas gargalhadas fáceis, outras mais difíceis. A expectativa é muita e a superação destas nem tanto, mas sairão da sessão bem dispostos e a gostar do filme, nem que seja apenas por Rowan Atkinson.


EXAME

Realização: 7/10
Actores: 8/10
Argumento/Enredo: 5.5/10
Duração/Conteúdo: 7/10
Transmissão da ideia principal do filme para o espectador: 8/10

Média Global: 7.1/10

Crítica feita por Joana Queiroz

Informação

Título em português: O Regresso de Johnny English
Título Original: Johnny English Reborn
Ano: 2011
Realização: Oliver Parker
Actores: Rowan Atkison, Dominic West, Gillian Anderson e Rosamund Pike


12 comentários:

  1. Concordo com a resenha, acho que está melhor que o primeiro, sem dúvida alguma.

    Rowan Atkison está super legal, imperdível!

    ResponderEliminar
  2. Não assisti ao primeiro, mas deve ser engraçado. Atkinson é o tipo de sujeito que você ri apenas de olhar para ele.

    Até amis

    ResponderEliminar
  3. Obrigada pelos comentários :)

    @ Hugo: É engraçado, mas o segundo está melhor. É verdade, concordo; daí ter dito que nem é preciso Atkison falar para ter piada. Já com Mr. Bean era a mesma coisa ;)

    ResponderEliminar
  4. Nunca assisti aos filmes dessa série e acho o Rowan Atkinson aquele tipo de comediante que sempre repete os mesmos trejeitos... Fora que não consigo dissociá-lo da imagem do Mr. Bean!

    ResponderEliminar
  5. @ Kamila: sim, Atkison confia muito nos seus "típicos dotes", he relies pretty much in what he always has done. Portanto, é natural que com tanta repetição haja pessoas que já não se riam. É de facto impossível dissociar a imagem de Mr.Bean ao actor. A personagem de Johnny English é Mr. Bean mascarado de James Bond, há uma certa intencionalidade nisso.

    @ Anónimo: último filme dele ?

    ResponderEliminar
  6. Epá, por acaso não sabia; realmente é pena. Acabou em grande.

    ResponderEliminar
  7. Não há muito a dizer, é um excelente regresso que termina uma grande carreira.
    O papel não podia ser feito por outro, a verdade é realmente essa, ali está estampada a personagem de Mr. Bean e sem isso não seria mais igual.
    Por momentos quando entrei na sala pensei "Um regresso pode ser algo muito negativo se não correr bem...espero não sair desiludido", no entanto saí com vontade de mais.
    As peripécias do costume estão presente a burrice cega de English voltou com ele (apesar de todo o treino xD).
    Está realmente muito divertido e tal como prometia é uma comédia que cumpre com os requisitos de um serão bem passado.
    E como já é meio habitual...eu gostei e portanto...7.1 parece-me um bocadinho abaixo do que esperava, mas até entendo não está assim tãão genial para um valor muito mais alto, enfim =P
    Continuem com o trabalho =)

    ResponderEliminar
  8. Gostei muito do filme! Achei melhor que o primeiro sem dúvida!
    Bem, o Rowan Atkinson já se merece reformar, já está velho, principalmente para o tipo de papéis dele que são sempre paéis de humor muito físico, feitos super bem por alguém já quase nos seus 60 anos...

    ResponderEliminar
  9. @ Anónimo: Sim, concordo quando dizes que há sempre aquele receio do "regresso" ser sempre pior, mas neste caso não foi assim :).
    7.1 não é assim tão baixo... pensa que numa escala de 0 a 5, corresponde a 3.5 =P. 7.1 corresponde a um filme bom, mas não fantástico ;).

    @ Rodman: Sim, merece a reforma e acho que saiu na altura certa, pois saiu em grande.

    Obrigada pelos comentários =)

    ResponderEliminar
  10. É uma pena que seja o ultimo... acho que ele prefere andar a espatifar carros do que a fazer filmes loool.. é pena mesmo :) faz-me lembrar o Sean Connery que também se retirou, e eu adorava mesmo os filmes dele...

    ResponderEliminar