domingo, 24 de março de 2013

A Nightmare on Elm Street (1984)


"1, 2, Freddy's coming for you..."

"A Nightmare on Elm Street", de 1984, realizado pelo mestre do terror Wes Craven, marcou o início da franquia cujo enredo gira em volta de um dos psicopatas mais reconhecidos do cinema e um verdadeiro ícone: Freddy Krueger. Quem é que nunca ouviu falar? À data de estreia, arrebatou enormes críticas favoráveis e iniciou um fenómeno de culto instantâneo que ainda hoje se faz sentir. Curiosamente, o filme apresentou igualmente pela primeira vez ao mundo o inconfundível Johnny Depp. Foi uma grande surpresa, uma vez que era de tão baixo orçamento, mas o certo é que hoje é inegável a afirmação de que, "Pesadelo em Elm Street", é um verdadeiro marco na história do cinema, pois conseguiu aterrorizar gerações. Tendo este facto assente, podemos à mesma colocar outras questões: será que não é ligeiramente sobrevalorizado? Será que, vendo agora, não poderemos considerá-lo ultrapassado? Estas questões serão esmiuçadas no desenrolar da crítica...

Deixem-me desde já recomendar a não visualização do remake de 2010. É simplesmente dos remakes mais sofríveis de todos os tempos, que descaracteriza completamente a personagem do Freddy Krueger. É um verdadeiro "pesadelo", sendo chato, banal, aborrecido e dotado de interpretações horríveis. Mais vale verem o original, pois para além de ser o pioneiro, é incomparável em termos de qualidade.


Wes Craven é um génio. Sempre foi um realizador surpreendente, pois é arrojado e ousado, sem nunca hesitar em brindar o espectador com das cenas mais macabras e elaboradas, com intenção de chocar. E com a criação de Freddy Krueger não foi diferente. Claro que Wes Craven tem obras duvidosas, mas isso já são outras conversas. "A Nightmare on Elm Street" é simplesmente brutal. Dou bastante mérito à direcção na medida em que não falhou na transmissão da mensagem, foi realmente complicado não achar que os sonhos eram reais... Aquele ambiente negro e sinistro, envolto numa banda sonora arrepiante, são alguns exemplos da fórmula típica e intimidante de Craven que nunca deixa de resultar. A premissa, à primeira vista, não parece ser nada a que não estejamos habituados. Mas acaba por ser muito original, pois Craven pensou em juntar um assassino de crianças e pesadelos. Freddy Krueger é um assassino, que costumava matar pessoas em Elm Street, com as suas características garras de aço. Ao ser descoberto, foi queimado vivo. Porém, o seu espírito continua vivo, atormentando vários adolescentes nos seus pesadelos. A premissa do filme, que gira entre o imaginário e o real, está magnífica. Mas claro que não está isento de falhas.

Vou ter que ser muito sincera em relação a um aspecto que me desagradou particularmente. Aliás, chateou-me bastante. Heather Langenkamp (Nancy) proporciona das piores interpretações a que já tive oportunidade de assistir. Em nenhuma ocasião consegue estar à altura, desiludindo constantemente. Acho que o filme teria ganho muito mais se a protagonista tivesse sido outra. Os restantes actores não estão particularmente memoráveis também, a sorte é que tiveram menos tempo de antena. Como já tive oportunidade de referir, este filme marcou a estreia de Johnny Depp. Assim, juntando o útil ao agradável, o filme melhora substancialmente com a sua interpretação (!)... Ok, não é digno de Óscar, muito longe disso, aliás, é muito "interpretação à slasher movie", ou seja, má, mas digamos que Johnny Depp é responsável por uma das cenas mais emblemáticas da história do cinema, sem dúvida alguma. O único elemento de destaque verdadeiramente positivo em termos de elenco, será Robert Englund, que interpreta o temível Freddy Krueger. É um actor muitíssimo carismático, e atrevo-me a dizer que foi quase 85% responsável pelo sucesso do filme. Por si só acho a personagem muitíssimo bem arquitectada, logo, era digna de uma interpretação que lhe fizesse jus. Felizmente, Robert Englund superou qualquer expectativa, e está absolutamente assustador!



Em suma, é um filme necessário a todos fãs do terror, pois é indiscutivelmente dos melhores e mais marcantes dos anos 80. Contudo, não podemos deixar de achar que está um pouco ultrapassado a diversos níveis, mas mantém o estatuto de filme de culto, que jamais será abalado. À excepção de algumas interpretações medíocres, o filme tem todos os elementos para garantir um bom visionamento, e o seu grande mérito reside em ter-nos apresentado das personagens mais originais do mundo do terror.


EXAME

Realização: 8/10
Actores: 6/10
Argumento/Enredo: 8/10
Duração/Conteúdo: 7.5/10
Transmissão da principal ideia do filme para o espectador: 8/10

Média global: 7.5/10

Crítica feita por Sarah Queiroz


Informação

Título em português: Pesadelo em Elm Street
Título original: A Nightmare on Elm Street
Ano: 1984
Realização: Wes Craven
Actores: John Saxon, Ronee Blakely, Heather Langenkamp, Johnny Depp, Robert Englund

Trailer do filme:

 


4 comentários:

  1. "Deixem-me desde já recomendar a não visualização do remake de 2010. É simplesmente dos remakes mais sofríveis de todos os tempos." - Se um homem chora-se tinha chorado baba e ranho quando acabei de ver esse remake..

    Pesadelo em Elm Steet é o melhor filme de terror de sempre. Pronto :D

    ResponderEliminar
  2. De acordo com a tua critica. acompanho o aconselhamento da não visualização do filme de 2010. não acho que seja o melhor filme de terror de sempre, mas é sem dúvida incontornável e um marco no cinema de terror. abr

    ResponderEliminar
  3. Na minha opinião a Heather Langenkamp esteve muitíssimo bem.
    Foi, de longe, a minha protagonista preferida da saga Nightmare on Elm Street. :)
    Permitam-me também mencionar a banda sonora.
    Absolutamente brilhante!

    O remake, fui ver ao cinema por curiosidade...
    É pá... enfim, tenho pena de não ter lido a tua crítica mais cedo -_-
    Deviam pagar uma multa :p

    ResponderEliminar