quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Los Ojos de Julia (2010)

Los Ojos de Julia é o mais recente filme espanhol a chegar aos cinemas portugueses. Sendo um grande fã de filmes de terror europeu, e sabendo que se tratava dos responsáveis pelo filme El Orfanato, era impossível não criar expectativas. O cinema espanhol está em grande forma, e Los Ojos de Julia é o exemplo disso, apesar de não estar isento de falhas bastante óbvias que sacrificam-no ligeiramente.

Julia (Belén Rueda)sofre de uma doença degenerativa que lhe irá causar, eventualmente, total cegueira. Após ser informada do suicídio de Sara, a sua irmã gémea, decide investigar a fundo as circunstâncias que terão levado Sara a esse acto, pois está pouco convencida. Rapidamente se apercebe que poderá se tratar de assassínio e de que tudo está de alguma maneira relacionado com a doença degenerativa dos olhos que afectou ambas e que acabou por cegar a irmã. Porém, apesar dos seus esforços, parece que nem mesmo Isaac (Lluís Homar), o seu marido, concorda com Julia. Assim, à medida que se embrenha naquele estranho enigma, mais profundamente ela se perde numa espiral de solidão e trevas.


Como se calcula, Los Ojos de Julia aborda o tema da cegueira, que poderá à primeira vista parecer pouco original. Vou desde já não concordar com essa ideia, pois o argumento do filme até está bastante inovador tendo em conta o tema, e reserva-nos bastantes surpresas durante o filme, quer seja pela sua imprevisibilidade, ou (num lado negativo) pela sua inconsistência. Mas isso é o menos, porque na generalidade o filme resulta, na medida e
m que explora o conceito do medo do desconhecido através da perda gradual de visão.

Los Ojos de Julia
é deveras ambicioso e, devido ao seu potencial, leva-nos sempre a esperar cada vez mais e mais, só que desiludirá pela não correspondência das expectativas. Apesar de ser francamente bom, tem um final que desilude, e é perceptível a quebra de ritmo e tensão na terceira e última parte do filme, chegando a roçar o ridículo. Porque antes disso, a construção do suspense está, de facto, muito bem feita. Guillem Morales não falha na criação de um ambiente aterrador e de suspense, pois foi-me absolutamente impossível prever o que iria se passar a seguir. Há vários elementos que apresenta na primeira parte do filme, que deixa o espectador verdadeiramente intrigado acerca do que se poderá estar a passar. Claro que o realizador teve que recorrer a inúmeros clichés, mas não deixo de tirar o chapéu a Morales por conseguir causar aquela sensação de dúvida constante. Só que, falha na terminação do filme.

Enquanto que Belén Rueda está absolutamente fantástica na interpretação das gémeas que sofrem
da doença degenerativa, bastante convincente num papel que não deve ser nada fácil, tal como Lluis Homar proporciona-nos uma performance super emocional, os restantes actores não se destacam pela positiva. Especialmente devido ao argumento sofrer de falhas estruturais que às vezes não permitem ao actor dar o seu melhor. Mas Belén Rueda supera-se neste filme!

Em tom de conclusão, o filme entretém, mas não é totalmente satisfatório. Tem vários elementos que os fãs do género irão com certeza apreciar, e deve ser visto por ser tão envolvente, mas não esperem um marco no cinema de terror espanhol.


EXAME


Realização:
7/10

Actores:
7/10

Argumento/Enredo:
7/10

Duração/Conteúdo:
6/10

Transmissão da principal ideia do filme para o espectador:
6/10


Média Global: 6.6/10


Crítica feita por Sarah Queiroz


Informação


Título Original:
Los Ojos de Julia

Título em Inglês:
Julia's Eyes

Título em Português:
Os Olhos de Julia

Ano:
2010

Realização:
Guillem Morales

Actores:
Belén Rueda, Lluís Homar, Pablo Derqui


Trailer do Filme


4 comentários:

  1. Quero ver este filme, a actriz principal é muito boa, lembro-me de a ver pela primeira vez em Mar Adentro.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  2. Ouvi falar nesse filme devido ao envolvimento de Guillermo del Toro (que serviu como produtor) mas não me interessei tanto a ponto de ir atrás.

    E ainda bem que a protagonista não é uma mulher chamada Joana que tem uma irmã gêmea chamada Sara. Senão acho que seria um pouco estranho para você assistir. :D

    P.S.: estou sempre lendo as críticas que vocês postam. Se não comento é porque ainda não vi o filme ou porque não é algo que costumo assistir. Continuem com o bom trabalho.

    ResponderEliminar
  3. Já vi! Também gostei muito do filme mas ao contrário de ti, apreciei o rítmo deliberadamente lento na terceira parte. Deve ser por ver demasiados filmes asiáticos ;)

    ResponderEliminar
  4. @ Narrador Subjectivo: Sim, Belen Rueda é uma actriz fantástica, sigo o seu trabalho também. Adorei-a em El Orfanato.

    @ Alexandre: Ahaha seria estranho de facto se as gémeas tivessem os nossos nomes :P Obrigada pelas assíduas visitas Alexandre, são recíprocas! Adoro visitar o teu blog. Continua o bom trabalho :)

    @ FilmPuff: Eu também vejo imensos filmes asiáticos, e percebo essa ideia que estás a dizer... Mas neste filme achei que o ritmo lento foi demasiado abrupto.

    Obrigada a todos pelos comentários!

    ResponderEliminar