domingo, 25 de maio de 2014

Contracted (2013)


"Not your average one night stand." 

   Para quem é fã de "body horror", este é, sem sombra de dúvidas, o filme ideal. "Contracted" retrata a história de Samantha, que se encontra numa fase difícil após acabar o relacionamento lésbico com Nikki. Assim, ela decide ir a uma festa para se divertir, mas acaba por ser violada por um desconhecido. Apesar da experiência já por si ser horrível, Samantha começa a aperceber-se de um mal maior que advém da violação. Com o passar dos dias, o seu corpo começa a apresentar sintomas muito estranhos, levando a crer que a sua experiência sexual lhe trouxe outras consequências. Agora, Samantha terá que descobrir o que está a acontecer com o seu corpo apodrecido, antes que seja tarde demais. 
A premissa é bastante interessante e captou logo a minha atenção desde o trailer, pois encarei-o como um verdadeiro "antídoto" para qualquer fã que procure um filme de terror diferente. Ao retratar a dolorosa transformação de Samantha em um zombie, consegue ser muito fresco e original, destacando-se dos filmes do género pela sua explícita abordagem (ou até mesmo "inversão" de abordagem). Quase que me fez lembrar o filme "A Mosca" de David Cronenberg, em que igualmente se assiste a uma transformação bizarra.

   Uma das grandes críticas ao filme tem sido a incoerência da narrativa ou simplesmente a "estupidez" das personagens que não se apercebem do estado moribundo de Samantha, quando no início do filme o fazem (em que os seus sintomas não eram de longe visíveis). Parece que, de repente, ficaram "sem noção". Eu já vi o filme mais do que uma vez... E foi algo que nunca me incomodou porque creio ter uma resposta plausível: considero que foi propositado. Aqui England pretendeu fazer uma crítica social. As personagens do filme correspondem a "personagens-tipo", egocêntricas que só olham para o umbigo delas. Temos a Nikki, a ex-namorada que acha Samantha irritante, o Riley, que desesperadamente a deseja, a mãe, que vê Samantha como uma toxicodependente...E encerram-se tanto nestes padrões e nos muros da sua própria existência, que vêm Samantha exactamente como querem. Ou seja, no exterior ela pode estar extremamente pálida e meio morta, que ninguém verdadeiramente se apercebe. A própria personagem é assim: tão obcecada com a ex-namorada que recusa-se a ajudar a ela própria. São produtos da sociedade simplesmente, uma verdadeira metáfora ao mundo apodrecido que nos rodeia. No entanto,  não invalida terem-me conseguido irritar em algumas das cenas, pois mesmo com esta explicação conseguem roçar o inacreditável. E para os mais exigentes, este tipo de negligências poderão mesmo afectar a credibilidade da trama. Mas a intenção está lá, sendo até possível interpretar o filme de duas maneiras: a história de uma rapariga gradualmente a transformar-se em algo mau, ou o inverso, a história da rapariga que se está a transformar em exactamente aquilo que é verdadeiramente. É um argumento muito mais complexo do que aparenta.


   Eric England pretendia igualmente chocar. Aliás, nem perdeu tempo nenhum. Na introdução deparamos-nos logo com uma cena de necrofilia, o que prende imediatamente o espectador ao ecrã, intrigado com o que se irá passar. O filme é, à falta de melhor expressão, nojento. Retrata fielmente a transformação em um zombie, por isso, podem contar que o filme crie várias situações incómodas. O que é de esperar, uma vez que necrofilia e corpos em decomposição são dos temas centrais. Mas a visão de England, como já referi, é mais profunda que essa. Ao focar-se bastante nas personagens, torna-se um filme com muito mais substância.

   Tenho que dar o devido destaque à actriz Najarra Townsend. Como a actriz principal, fez um trabalho absolutamente formidável no papel da rapariga confusa que tenta perceber por ela própria o que se está a passar. Quantas vezes nós próprios evitamos ir ao médico na esperança que sintomas passem? Townsed capta na perfeição esta essência com uma performance bastante sólida.


  "Contracted" faz qualquer pessoa contorcer-se. E a forma como o filme se desenrola é de génio. Vale a pena ver a película sabendo muito pouco acerca dela, na medida em que é bastante surpreendente e intrigante. A abordagem é mais do que inovadora e original, e o final é de grande impacto, podendo mesmo considerar que é a melhor cena do filme. Mas o grande mérito de "Contracted" reside na capacidade de gerar choque, angustia e ansiedade pelo decair da personagem principal, o que acaba por compensar os erros do filme. É sem dúvida, das grandes surpresas de 2013.


EXAME

Realização: 7.5/10
Actores: 7.5/10
Argumento/Enredo: 7.5/10
Duração/Conteúdo: 7/10
Transmissão da principal ideia do filme para o espectador: 7/10

Média global: 7.3/10

Crítica feita por Sarah Queiroz


Informação

Título original: Contracted
Título português: Contracted
Ano: 2013
Realização: Eric England
Actores: Najarra Townsend, Alice Macdonald, Caroline Williams

Trailer do filme:

2 comentários:

  1. um filme gore, coisa que se vê muito pouco atualmente.
    concordo plenamente com a tua critica.

    ResponderEliminar
  2. eu cheguei até estelo belo blog por causa da belissima atriz Najarra!gostei muito de tua critica e desejo vida longa e muito sucesso ao Depois do Cinema!!Marcos Punch.

    ResponderEliminar