Crítica - Before I Wake (2016)

Análise ao novo filme de terror realizado por Mike Flanagan, "Before I Wake". Por Sarah Queiroz.

TOP 10 Melhores: Filmes de Terror de 2015

Confiram o nosso TOP 10 Melhores Filmes de Terror de 2015! Concordam? Por Sarah Queiroz

Especial Colaborações do Cinema: Neill Blomkamp e Sharlto Copley

Vejam o nosso especial colaborações do cinema, em que percorremos a filmografia do realizador Neil Blomkamp que conta com a colaboração de Sharlto Copley. Por Sarah Queiroz

TOP 5 Melhores Filmes: Scarlett Johansson

Confiram a nossa lista dos 5 melhores filmes protagonizados pela bela Scarlett Johansson. Por Sarah Queiroz

TOP 10 Melhores Filmes - "Body Horror"

Confiram o nosso TOP 10 Melhores Filmes "Body Horror". Por Sarah Queiroz

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Especial Colaborações do Cinema: James Wan e Leigh Whannell


"Great minds think alike", é o que se costuma dizer. E no mundo cinematográfico não poderia ser melhor aplicado. Vamos dar início a um novo especial: Colaborações do Cinema. E os primeiros em destaque são a grande dupla James Wan & Leigh Whannell.

Leigh Whannell e James Wan

"Horror filmmaking, it doesn’t get the kind of recognition I feel like it [deserves] because there’s a lot of craft involved, and it’s not just about someone jumping out with a knife and then the music goes all crazy and nuts, right? And your actors [are] screaming away. It’s not just about that. I think to create a genuine, creepy, suspenseful movie, takes a lot of craft." - James Wan

James Wan e Leigh Whannel são das mais famosas duplas do mundo do terror. Nas suas colaborações, Wan assume a direcção enquanto que Whannell é argumentista (e até, por vezes, actor). Vou tentar pôr o lado subjectivo de lado, mas devo dizer que os resultados finais são sempre de grande qualidade. Sou mesmo acérrima fã desta dupla, que já nos trouxe modernos clássicos do terror, tais como a saga SAW e Insidious. De notar que os seus filmes caracterizam-se essencialmente por finais com um twist bastante surpreendente. Este "especial" tem a intenção de percorrer a filmografia de James Wan, em que conta com o argumento de Leigh Whannell.


SAW (2004)











SAW estreou em 2004, apresentando-se como um filme low-budget relativamente discreto. Após a estreia, o mundo cinematográfico nunca mais foi o mesmo, uma vez que o filme foi um sucesso de culto instantâneo. A nível de argumento, é absolutamente fenomenal, pois envolve-se numa premissa original recheado de momentos de tensão. Basicamente tortura-nos o psicológico do início ao fim.

Adam (Leigh Whannell) e Gordon (Cary Elwes) acordam amarrados em lados opostos de uma sala, com um cadáver entre eles. Os dois homens descobrem que são reféns de Jigsaw (Tobin Bell), um "serial killer" que coloca as suas vítimas em situações que as levam a cometer homicídio. Agora cada um deles tem de lutar contra o tempo...e contra o outro.


SAW é um filme magnífico que, apesar da sua relativa simplicidade na narrativa, é extremamente inovadora e eficaz, tendo sido um marco no género cinematográfico. Considero-o um moderno clássico do horror. Infelizmente, sofreu seis sequelas. Apesar de terem sido produtores dos restantes, Whannell e Wan só trabalharam juntos neste (Whannel também escreveu o argumento de SAW II e SAW III, mas sem Wan na realização). Ao terem criado a saga, afirmaram-se como reis do gore.


Trailer





Dead Silence (2007)


Três anos após a sua estreia nas longas-metragens, James Wan juntou-se novamente a Leigh Whannel e trouxeram ao mundo em 2007, "Dead Silence". Quando saiu o trailer de "Dead Silence", as comparações a SAW eram quase inevitáveis. O poster apresentava um estranho boneco de ventroliquismo, o que acaba por se assemelhar e muito a Billy "The Puppet", mas felizmente conseguiu distanciar-se de SAW, sendo um thriller sobrenatural e psicológico de ambiente mais dark e assustador.


Jamie Ashen (Ryan Kwanten) e Lisa (Laura Regan) recebem um estranho boneco de ventroliquismo, Billy, que lhes faz lembrar da ventriloquista Mary Shaw que foi assassinada na cidade de Ravens Fair por ser suspeita de sequestrar e matar crianças. Momentos mais tarde, quando Jamie retorna a casa, encontra a mulher morta com a língua arrancada. Ele é o principal suspeito pela polícia, mas disposto a provar a sua inocência, desloca-se à sua cidade natal para enfrentar a lenda e o fantasma de Mary Shaw.

O filme claramente padece de algumas falhas, mas é de louvar o enorme esforço de James Wan e de Leigh Whannell em criar uma história no mínimo assustadora e sólida, o que conseguem na maior parte das cenas. Sucintamente, o filme tem os seus bons momentos, e é um título recomendável para se ver, sem dúvida.

Crítica completa aqui




Trailer





Insidious (2010)











Mas foi em 2010 que, na minha opinião, esta dupla conseguiu de uma vez por todas demonstrar a sua tremenda competência no mundo do terror. Num mundo em que constantemente aparecem filmes pouco inovadores e assustadores, James Wan arranja sempre maneira de sobressair e criar algo verdadeiramente inédito. E "Insidious" é o perfeito exemplo disso, pois durante o filme é criado um clima de tensão onde o medo do que está por vir é absolutamente constante. Leigh Whannell, para além de argumentista, também é actor no filme.

Uma família que acabou de se mudar para uma casa nova descobre que um espírito do mal está na casa. Ao mesmo tempo, o filho do casal entra em coma de maneira inexplicável. Tentando escapar das assombrações e para salvar o filho, eles mudam novamente de casa e chamam uma equipa de especialistas do oculto para os ajudarem, apercebendo-se de algo terrível que os deixa desesperados: não era a casa que estava mal-assombrada...

Apesar de, à primeira vista, o filme não parecer original no que toca à premissa, é a maneira como é concretizada que é completamente original, sendo inegável que é dos melhores na atmosfera de ansiedade que cria. Foi, sem dúvida, o melhor filme de terror de 2010. Mais que recomendado.

Crítica completa aqui


Trailer





Insidious: Chapter 2 (2013)




A sequela de Insidious estreia precisamente amanhã, dia 14 de Novembro, nos cinemas portugueses. Sendo assim, não poderei ainda elaborar uma crítica, pelo que vou apenas partilhar com vocês as minhas expectativas. No entanto, esperem uma análise ao filme muito em breve!

Sinopse (PUBLICO):  Passaram-se dois anos desde que Renai e Josh Lambert (Rose Byrne e Patrick Wilson) viveram o pior pesadelo das suas vidas, quando o filho mais velho entrou num coma inexplicável. Aterrorizados com o problema e com eventos anormais que não paravam de acontecer à sua volta, recorreram aos serviços de uma médium que lhes explicou que a alma da criança, perseguida por espíritos malignos, estava aprisionada numa dimensão intermédia e que apenas o pai a poderia salvar. Apesar de céptico, Josh acabou por concordar em abandonar o seu corpo e ir ao encontro do filho, que conseguiu resgatar. Agora, quando tudo parece ultrapassado, eles mudam-se para a casa de família dele, num esforço contido para retomar as suas vidas como qualquer família normal. Porém, o passado volta para os perseguir. É então que descobrem que a família Lambert há muito que guarda um terrível segredo que os deixou marcados por criaturas maléficas...

Não vou negar. As minhas expectativas em relação ao filme estão elevadíssimas. Mesmo que as críticas ao filme têm vindo a ser mistas, é impossível abalar a minha expectativa. E vocês? O que esperam do novo filme? Penso que será outra grande colaboração de Wan & Whannell. 2013 está efectivamente a ser um grande ano para o realizador oriundo da Malásia.


Trailer




VEREDICTO: Todos são, claramente, óptimos filmes de terror, havendo uns que se podem mesmo considerar modernos clássicos do terror. No entanto, a melhor colaboração destes dois génios é, na minha humilde opinião, "Insidious" (2010). Pese embora o facto de morrer de amores com SAW (2004), pelas razões que já expus, creio que em "Insidious" esta dupla conseguiu concretizar melhor as suas ideias, construindo um filme muito mais sólido, a vários níveis. que os anteriores.


E vocês? Qual dos filmes é o vosso predilecto? Partilhem connosco a vossa opinião!

por Sarah Queiroz


VEJAM AINDA:

- Crítica a SAW VI (2009)
- Crítica a SAW 3D (2010)