Crítica - Before I Wake (2016)

Análise ao novo filme de terror realizado por Mike Flanagan, "Before I Wake". Por Sarah Queiroz.

TOP 10 Melhores: Filmes de Terror de 2015

Confiram o nosso TOP 10 Melhores Filmes de Terror de 2015! Concordam? Por Sarah Queiroz

Especial Colaborações do Cinema: Neill Blomkamp e Sharlto Copley

Vejam o nosso especial colaborações do cinema, em que percorremos a filmografia do realizador Neil Blomkamp que conta com a colaboração de Sharlto Copley. Por Sarah Queiroz

TOP 5 Melhores Filmes: Scarlett Johansson

Confiram a nossa lista dos 5 melhores filmes protagonizados pela bela Scarlett Johansson. Por Sarah Queiroz

TOP 10 Melhores Filmes - "Body Horror"

Confiram o nosso TOP 10 Melhores Filmes "Body Horror". Por Sarah Queiroz

quarta-feira, 31 de março de 2010

Amadeus (1984)

"The Man... The Music... The Madness... The Murder..."

Em 1984, Milos Forman decidiu levar para o big screen a história de Wolfgang Mozart
, contada na perspectiva do seu rival compositor e pior inimigo Antonio Salieri. O filme conta com um script fabuloso e com uns actores soberbos, envolvidos obviamente com a mestria da própria música de Mozart como banda sonora. O trabalho de Forman neste filme é perfeito, sem falhas, tendo-lhe arrecadado uma nomeação para melhor realizador.
A história é contada em modo flashback, após um já velho e perturbado António Salieri (F. Murray Abraham) tentar o suícidio, responsabilizando-se pela morte de Mozart (Tom Hulce), e ser internado numa instituição psiquiátrica onde conhece um jovem padre e relata a sua história, partilhando a sua obsessão e admiração por Mozart e a sua frustração por ser Mozart o "instrumento de Deus" dotado de uma genialidade nunca antes vista.

A história vai, assim, andar em volta dos dois compositores e na forma como os seus dois mundos colidem. F. Murray Abraham dá-nos aqui uma performance estrondosa como Antonio Salieri, o esquecido compositor que vê-se envolto de pensamentos violentos, invejosos, mesmo malévolos quando, não tendo o reconhecimento que desejava, vê-se perante a genialidade de Mozart, que no entanto não passava de um jovem ''dirty-minded'', mas possuidor de um talento que Salieri tanto invejava. Tom Hulce é outro fantástico actor; A forma como ele interpreta o génio e hiperactivo compositor, com o riso mais fantástico de sempre, é simplesmente soberbo.
Apesar do filme historicamente não ser 100% fiel, não deixa de ser absolutamente brilhante. É uma adaptação cinematográfica esplêndida. Claro está que é capaz de não agradar a toda a gente. Mas em geral, este filme tem tudo para ser adorado.
O filme ganhou 8 óscares da Academia em 1985, sem surpresa alguma! Aliás, a única razão pela qual não ganhou 9 foi porque To
m Hulce estava nomeado para a categoria de Melhor Actor em vez de Melhor Actor Secundário. Ora, Murray Abraham levou a estatueta de melhor actor, e muito bem merecido. Ironia, pode-se dizer que Salieri venceu Mozart nesta situação.

Tava apenas com receio que a extensão do filme fosse prejudicar. Apesar de
realmente considerar que o filme esteja, talvez, demasiado longo, é apenas uma mínima falha que em nada prejudica a imensa qualidade deste filme. Quem se diz fã de cinema tem de vê-lo. É um clássico! Tudo neste filme está pensado de forma brilhante, deste os magnificos vestuários fieís à época (Áustria 1760-1791), desde a estrondosa banda sonora e claro está, o elenco é o que faz este filme. O Jeffrey Jones (o Imperador) é outra grande estrela em "Amadeus".
A mensagem do filme é muito clara: A mediocridade vs. genialidade e como a inveja e o ciúme corroem uma pessoa.
A não perder, a sério, aluguem o filme ou assim que não se vão arrepender.

EXAME

Realização: 9/10
Actores: 10/10
Argumento/Enredo: 9/10
Banda Sonora: 9/10
Duração/Conteúdo: 7,8/10
Transmissão da principal ideia do filme para o espectador: 9/10

Média global: 8.9/10

Crítica feita por Sara Queiroz


Informação

Titulo em português: Amadeus
Titulo Original: Amadeus
Ano: 1984
Realização: Milos Forman
Actores: F. Murray Abraham, Tom Hulce, Jeffrey Jones


Trailer do filme:


terça-feira, 30 de março de 2010

De volta!

Após um longo hiatus (1 ano e pouco) finalmente estamos de volta e agora será em grande ! Marcámos o nosso regresso com a crítica ao filme "Orphan".

No mês de Abril encontrarás diversas críticas, como por exemplo:

Orphan (2009)

"There's something wrong with Esther."

Orphan = impressionante! Quem vá ver este filme na expectativa de apanhar uns grandes sustos, talvez se desiluda, mas já se for com a ideia de apanhar um filme cheio de suspense, mesmo daquele género de cortar a respiração, vai achar este filme dos mais geniais do género.
Jaume Collet-Serra conseguiu aquilo a fórmula perfeita, e finalmente acertou em cheio! Depois da horrorosidade que foi o "House of Wax" qualquer filme que se diga de terror e feito por Collet-Serra, levanta sempre algumas suspeitas. O filme consegue ser creepy, tem uns grandes actores, e um plot twist como nunca antes visto ! Eu digo-vos, a tamanha surpresa que apanhei com Orphan é inexplicável. Mas vamos por partes...

Orphan conta-nos a história de um casal, Kate e John Coleman (interpretados por Vera Farmiga e Peter Saarsgard respectivamente) que tem dois filhos, Danny (Jimmy Bennett) e Max (Aryana Engineer); No entanto, Kate sofre um aborto enquanto grávida do terceiro, ao que leva o casal a optar por adoptarem uma criança. E é nesse contexto que chega Esther (Isabelle Fuhrman). Logo do início é perceptível que há alguma coisa de errado com Esther. Há medida que o filme vai desenrolando, começamos a assistir ás manipulações de Esther e aos seus instintos homicidas. Outro ponto de realçar, o sotaque russo dela é completamente de arrepiar.
Devo dizer que Fuhrman é a alma deste filme. Todos os actores estão extremamente credíveis (especialmentee os mais novinhos. E eu tenho uma paixão secreta pelo Peter também, ele é um máximo), mas ela é simplesmente excepcional, acho que nunca vi uma performance tão aterradora como a dela. Vou até mais longe: penso que nenhuma actriz poderia fazer o papel tão bem como ela. Tem apenas 12 anos, mas certamente terá uma carreira promissora.


Em termos de realização, penso que Collet Serra faz um bom trabalho no build-up do suspense até ao ultimo minuto (Repito: o final é um choque! O filme vale imenso pelo
final.) e também considero que Collet Serra abordou uma vertente realista que deu ainda mais credibilidade ao filme. Penso assim que as personagens estão muito bem feitas e o enredo está bom (No entanto, se não fosse pelo plot twist, o enredo não seria uma grande novidade, visto que crianças diabólicas não é propriamente um tema inovador, como por exemplo em "The Good Son" com Macaulay Culkin. Mas Orphan é um grande psycho child horror movie)

O facto de ter um slow start e demorar um bocado a desenrolar não afecta, na minha opinião, a qualidade do filme. Agora perguntem-se... O que será que há de errado com Esther? Altamente recomendado, vejam este filme!

EXAME

Realização: 7.5/10
Actores: 9/10
Argumento/Enredo: 8.5/10
Duração/Conteúdo: 6.5/10
Transmissão da principal ideia do filme para o espectador: 7.5/10

Média Global: 7.8/10

Crítica feita por Sara Queiroz

Informação

Titulo em português: A Orfã
Titulo Original: Orphan
Ano: 2009
Realização: Jaume Collet-Serra
Actores: Isabelle Furhman, Vera Farming, Peter Saarsgard

Trailer do filme: